O secretário José Aparecido dos Santos, da Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror), recebeu na tarde desta quarta-feira, 08, representantes de duas comunidades agrícolas da região metropolitana de Manaus. Com problemas semelhantes, falta de infraestrutura, e há anos aguardando solução, homens e mulheres do ramal 147 (comunidade Jericó, BR -174) e ramal 41 (comunidade Raio de Sol, AM-010) receberam resposta positiva e irão receber a visita técnica do departamento de engenharia da Sepror, para o levantamento técnico. “Não importa se a área é da Suframa, do governo do estado ou do município Rio Preto da Eva. São pessoas, famílias, amazonenses. E a nossa obrigação é zelar por eles com tudo que estiver ao nosso alcance. Quem tem amor à causa pública precisa priorizar as ações no bem estar da população”, enfatizou Aparecido. “Iremos nas duas comunidades e buscaremos solução pelo menos para as situações mais críticas”, garantiu. Na segunda-feira, 13 de novembro a visita dos engenheiros vai ser na Comunidade Raio de Sol, que fica na Rodovia BR-174. A presidente da Comunidade afirma que sai da Sepror esperançosa. “Pelo menos fomos atendidos, coisa que muitas vezes não conseguimos. Nossos ramais não estão permitindo a entrada nem de ambulância. É uma vida muito sacrificada. Se o Governo Amazonino Mendes estruturar nossos ramais, será a realização de um sonho para muitas famílias que vivem e trabalham lá”, revela dona Helena, emocionada ao contar a história de um vizinho que após ser ferido por uma cobra, precisou ser carregado em uma rede por mais de 100 metros para receber os atendimentos emergenciais. Na terça-feira, 14, os engenheiros estarão na Rodovia AM – 010, no ramal do quilômetro 147, comunidade Jericó. A presidente da comunidade, Regina Castro Calisto, relatou todos os problemas enfrentados pelas famílias que lá residem. “Ramais destruídos. Sair de casa é um sacrifício. Voltar pra casa é um sacrifício. Como vamos ter uma vida digna assim?”, questionou Regina. “Já fizemos muitas e muitas solicitações. Já viemos várias vezes tentar falar com alguém, e voltamos frustrados. Hoje fomos atendidos e uma solução já está sendo proposta. Só temos a agradecer”, finalizou.