O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário Florestal e Sustentável (IDAM) estuda a criação de uma gerência de produção agroecológica e orgânica no órgão. A ideia foi discutida nesta segunda-feira (29) em reunião com a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (ADAF) – órgão também vinculado ao Sistema Sepror – e com membros do Fórum Amazonense de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos.

Na ocasião, os membros do Fórum questionaram sobre o concurso público para o Idam e ADAF. De acordo com o diretor presidente do IDAM, Luiz do Herval, uma das metas do Governo é aumentar o quadro de servidores. Ele também anunciou a criação de uma gerência especializada em produtos orgânicos, a partir de fevereiro. “Para isso, no IDAM será criada uma nova gerência voltada para a produção orgânica que prioritariamente desenvolverá ações de assistência técnica voltada para esta atividade”, comentou.

A gerência vai funcionar com quatro profissionais habilitados que desempenharão o papel de orientar e prestar assistência técnica para os produtores que resolverem trabalhar com orgânicos no Estado, além disso, vai contar com o apoio da ADAF, quanto à fiscalização no uso indiscriminado de agrotóxicos em culturas agrícolas.

Termo de Cooperação

Em 2016, o IDAM e a ADAF juntamente com o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Amazonas (Crea-AM) firmaram um termo de cooperação que prevê que os órgãos atuem conforme suas especificidades, o Crea-AM é responsável pela fiscalização do profissional habilitado para prescrever a quantidade necessária de defensivos utilizados no plantio. Os profissionais do IDAM prescrevem o receituário e a ADAF fiscaliza se os produtos prescritos no documento estão adequados para a cultura.

Atualmente 17 engenheiros agrônomos do IDAM podem emitir receituário agronômico. Na ADAF já existe a gerência de Agrotóxicos e Insumos veterinários (GAIV) que tem como missão fiscalizar o uso e comércio dos agrotóxicos em casas agropecuárias.