Representantes do município de Maraã, no rio Japurá, a 615 quilômetros de Manaus, estiveram nesta sexta, 3, na Secretaria de Produção Rural do Amazonas (Sepror). Trouxeram uma solicitação formal para a reativação da indústria de salga de peixe, desativada há alguns anos. Eles foram atendidos pelo secretário José Aparecido dos Santos, que enfatizou o novo contexto no qual se encontra a Sepro, com a preocupação do Governador Amazonino Mendes pelas ações de fomento no interior do Estado. “Temos uma grande capacidade produtiva, mas os resultados não estão atendendo às expectativas. Por isso estamos redirecionando nossas energias em busca de maior eficiência, seja na agricultura, na pecuária e até no extrativismo”, enfatizou.   Com a possibilidade de aumentar o orçamento anual da Sepror, José Aparecido dos Santos vê com bons olhos as iniciativas já em execução, como é o caso da piscicultura em Maraã. Há dois meses um tanque escavado, foi povoado com mil alevinos de tambaqui, de forma experimental. Em dois anos a despesca desse projeto experimental deverá garantir 2.5 toneladas de tambaqui, é o que afirmou o secretário de produção rural do município, Hugo Moraes. “Temos esse tanque já em funcionamento, mas, temos outro que precisa ser concluído para iniciarmos a criação nele também.  É a primeira vez que se cria peixe em nosso município e com a ajuda da Sepror vamos fazer dar certo”, garante Hugo.   O secretário José Aparecido dos Santos afirmou que ainda no mês de novembro irá a Maraã conhecer e ver de perto a realidade dos produtores rurais maraenses. “Não podemos desenvolver um projeto sem conhecer com detalhes como as coisas funcionam. Precisamos ter amor à causa pública e direcionar recursos que garantam a produção e qualidade de vida para o homem do interior do Amazonas”, finalizou Aparecido.