A SEPROR- Secretaria Estadual de Produção, recebeu na manhã desta segunda-feira, os integrantes da Comissão Especial de Acompanhamento de Aplicação do Credito Rural (CEACRAM).  O grupo de trabalho, instituído por meio de portaria no dia 22 de junho, tem como objetivo não apenas acompanhar, mas desenvolver estratégias que viabilizem novas linhas de crédito aos produtores do  interior do Amazonas, que enfrentam diversas dificuldades para ter acesso aos recursos. “Em nossa cabeça o privilégio, a proteção, a prioridade é para o homem do campo, que normalmente tem sido o mais penalizado. Vamos mudar isso para podermos fortalecer o Amazonas como um todo. Esse é o pensamento do Governador David Almeida, esse é o nosso pensamento”, adianta Dedei Lobo, secretário da Sepror.

O Amazonas possui aproximadamente 270 mil produtores rurais, distribuídos em 64 mil propriedades. Desse total, aproximadamente 94% pertencem à agricultura familiar. “Esse número expressivo de trabalhadores não tem tantas oportunidades e quando elas aparecem, necessariamente precisam de acompanhamento técnico”, afirma Dedei . “O que aconteceu no passado é que deram dinheiro para essas famílias e não fizeram o acompanhamento técnico. Eles naturalmente, com as dificuldades do interior do Amazonas,  ficaram inadimplentes e tornaram os municípios a que pertencem, inaptos. Isso está sendo ruim pra todo mundo e essa comissão tem essa missão, de elaborar uma maneira para que os  produtores que devem, paguem suas dividas e permitam que os outros também recebam ajuda financeira”, completou.

Pouco mais de dois meses à frente da Pasta, Dedei Lobo, que é do interior do estado(Humaitá) e tem larga experiência da questão agrária, defende a  interiorização dos recursos do Estado, para que haja uma descentralização da capital. “Manaus já tem a Zona Franca. Precisamos fortalecer o interior, porque se todo mundo decidir se mudar pra Manaus em busca de oportunidade, vai ser um desastre”, explica Dedei.  “Volto a dizer, que fortalecer o setor produtivo primário é uma questão de sobrevivência do próprio Amazonas, que hoje compra queijo lá do Rio Grande do Sul, Móveis de outros estados, sendo que temos tudo isso aqui”, esclarece.

Participam da comissão  representantes do Banco da AmazôniaCaixa Econômica Federal, Banco do Brasil, AFEAM-Agencia de Fomento, Fettagri – Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura, FAEA – Federação da Agricultura, IDAM – Instituto de Desenvolvimento, SEPA-Secretaria de Pesca, ADS – Agencia de Desenvolvimento Sustentável,  CEDRES – Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável e Sepror.  Já na primeira reunião foi observada a necessidade de incluir um participante da Associação dos Municípios. “É fundamental que os municípios participem e se envolvam nessas questões e na próxima reunião, dia 24, os municípios estarão representados”, afirmou.